Disposições para fazer um bom retiro

É preciso encarar esse retiro não apenas como um evento “cronológico”, mas “kairológico”, ou seja, não devemos encará-lo apenas como um evento histórico, mas como um momento propício da graça de Deus.

Apologia das Pedras

Faz algum tempo que me propus a escrever uma crônica sobre as pedras, elas sempre me lembram da promessa que lhes fiz, por vezes de uma maneira muito dolorosa para mim, já que só percebo a sua presença depois de ter tropeçado em uma delas…

A Lamparina do Sacrário

Todos nós temos guardado em nossa memória alguns acontecimentos que nos permitiram tirar alguma lição para a nossa vida. Nem sempre o fato de recordá-los se dá pela grandiosidade do ocorrido, mas sim pela profundidade com que a mensagem ficou gravada em nossos corações. Gostaria de partilhar um desses acontecimentos afortunados.

Com minhas mãos vazias

Quando inicio a oração, depois de me fazer consciente da presença da Santíssima Trindade que habita em mim, me coloco de mãos abertas. Este pequeno gesto orante me põem em contato com a minha pobreza habitual. Diante de Deus, de seu imensurável amor, tomo consciência do meu nada, de que sou criatura. E, portanto, necessitoContinuar lendo “Com minhas mãos vazias”

O Contemplativo

Se fossemos perguntar a um contemplativo o porquê de ele ter se distanciado das pessoas e se afastado do mundo ficaria perplexo com este questionamento. O fato é que ele não vê a sua opção pela solidão dessa forma. Ao contrário, ele sente-se unido a toda a humanidade e a toda a criação e, seContinuar lendo “O Contemplativo”

Escola de Contemplação

Uma das primeiras atividades humanas é a contemplação, sem que sejamos conscientes vamos apreendendo o modo de relacionar-nos com as pessoas e com as coisas a partir de uma contemplação silenciosa. É contemplando a constante presença e afabilidade de sua mãe que o recém-nascido intui que ela lhe ama. Esta contemplação silenciosa e intuitiva permiteContinuar lendo “Escola de Contemplação”